2º Encontro: O Escrito por uma Mulher

sexta-feira, março 21, 2008 at 12:44 pm Deixe um comentário

As duas fotos que seguem foram discutidas naquela biblioteca envidraçada, onde é possível ver entre seus concretos o trânsito noturno na Henrique Schaumann. As imagens pertencem à Exposição “Magnum, 60 Anos“, que está no Conjunto Nacional, Espaço Caixa Cultural, Av. Paulista, 2083, até dia 6 de abril. Grátis..

Créditos: Eve Arnold, Marlyn, 1940 e Elliot Erwitt, 1963, Pasadena Califórnia (EUA).

Magnum_EveArnold

Pasadena-California_ElliotErwitt

.
No encontro, lemos, relemos e conversamos sobre os dois poemas da mexicana Coral Bracho, assim como o Rivus, da brasileira Josely Baptista. Acabamos a noite com o Primeiro Amor da portuguesa Adília Lopes e deixamos o [Minha Avó e Minha Mãe] e o Negra, da moçambicana Noémia de Sousa para o próximo encontro.
.
.
Coral Bracho (México, 1951, -)
.
.
JAGUAR SOBRE UM MURO DE QUARTZO
.

O jaguar luminoso
sobre o muro de quartzo
é a noite em chamas;
é a trama da água penetrada de sol, seu movimento
cadencioso.
Sobe ao zênite de seus domínios,
adentra a claridade. No amplo
espaço abrupto, sua pele constelada é um lampejo,
o doce e morno florescer do cristal,
um traço breve sobre o gelo.
A pedra e o céu se tocam;
astros escuros e imensidão.
Templo de inalterada transparência,
o dia sustém e oferenda
a preamar noturna.

.

NAS ENTRANHAS DO TEMPO

O tempo cede
e entreabre
sua delicada profundidade (Portas
que protegem umas às outras; que entram umas nas outras; traços,
rastros de mar.) Um outono
de lenhos e frondes. Em seu fundo:
A espessura translúcida do prazer; suas heras íntimas:
Ouro:
foliações de luz: Fogo que se enraíza no metal florescido,
e um musgo fino,
incandescente.

Ambos poemas foram traduzidos por Josely Vianna Baptista

.

.

Josely Vianna Baptista (Brasil, 1957 -)

RIVUS

A água mede o tempo em reflexos vítreos. Mudez
de clepsidras, no sobrecéu ascendem (como anjos suspensos
numa casa barroca), e em presença de ausências o tempo
se distende. Uns seios de perfil, sono embalando
a rede, campânula encurvada pelas águas da chuva.

No horizonte invisível, dobras de anamorfoses;
sombras que se insinuam, a matéria mental.

.

.

Adília Lopes (Portugal, 1960 -)

.

[MINHA AVÓ E MINHA MÃE]

Minha avó e minha mãe
perdi-as de vista num grande armazém
a fazer compras de Natal
hoje trabalho eu mesma para o armazém
que por sua vez tem tomado conta de mim
uma avó e uma mãe foram-me
entretanto devolvidas
mas não eram bem as minhas
ficamos porém umas com as outras
para não arranjar complicações

.
PRIMEIRO AMOR

gostava muito dele
mas nunca lhe disse isso
porque a minha criada tinha-me avisado
se gostar de um rapaz
nunca lhe diga que gosta dele
se diz
ele faz pouco de si para sempre
os rapazes são maus
eu não era bela
nem sabia quem tinha pintado os Pestíferos de Java
resolvi assim escrever-lhe cartas anônimas
escrevia o rascunho num caderno pautado
não sei hoje o que escrevia
mas sei que nunca escrevi
gosto muito de ti
e depois pedia a uma rapariga muito bonita
que passasse as cartas a limpo
eu acreditava que quem tinha uns cabelos
assim loiros e a pele fina
devia ter uma letra muito melhor que a minha
agora que conto isto
vejo que deixo muitas coisas de fora
por exemplo que o meu primeiro amor
não foi este mas o Paulo
o irmão da rapariga bonita

.

.

Noémia de Sousa (Moçambique, 1926 – 2003)

.

Negra

Gentes estranhas com seus olhos cheios doutros mundos
quiseram cantar teus encantos
para elas só de mistérios profundos,
de delírios e feitiçarias…
Teus encantos profundos de Africa.

Mas não puderam.
Em seus formais e rendilhados cantos,
ausentes de emoção e sinceridade,
quedas-te longínqua, inatingível,
virgem de contactos mais fundos.
E te mascararam de esfinge de ébano, amante sensual,
jarra etrusca, exotismo tropical,
demência, atracção, crueldade,
animalidade, magia…
e não sabemos quantas outras palavras vistosas e vazias.

Em seus formais cantos rendilhados
foste tudo, negra…
menos tu.

E ainda bem.
Ainda bem que nos deixaram a nós,
do mesmo sangue, mesmos nervos, carne, alma,
sofrimento,
a glória única e sentida de te cantar
com emoção verdadeira e radical,
a glória comovida de te cantar, toda amassada,
moldada, vazada nesta sílaba imensa e luminosa: MÃE

Anúncios

Entry filed under: Encontros.

1º Encontro: Introdução Guilherme Mantleiga Yeats

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Sobre o Blogue

"Mujeres-Women-Mulheres II: Uma leitura sobre o Cotidiano para o Século XXI" é a segunda edição de curso ministrado inicialmente em 2008. O blogue é um espaço para reflexão e publicações de material discutido no grupo. Contribuições são bem-vindas!

Serviço

Curso ministrado gratuitamente na Biblioteca Pública Alceu Amoroso Lima. Às quinta-feiras de março e abril de 2009, dias 12/03, 19/03, 26/03, 2/04, 9/04 e 16/04. Horário: das 19 às 21h. Av. Henrique Schaumann, 777, Pinheiros. São Paulo (SP). Informações na secretaria da Biblioteca ou tel 3082-5023.

últimas postagens

quem contribui


%d blogueiros gostam disto: