7 º Encontro: Raízes, Violência e Multiculturalidade

quarta-feira, maio 7, 2008 at 8:35 am Deixe um comentário

Sylvia Plath (EUA, 1932 – 1963)

.

Daddy

You do not do, you do not do
Any more, black shoe
In which I have lived like a foot
For thirty years, poor and white,
Barely daring to breathe or Achoo.

Daddy, I have had to kill you.
You died before I had time¬_
Marble-heavy, a bag full of God,
Ghastly statue with one gray toe
Big as a Frisco* seal

And a head in the freakish Atlantic
Where it pours bean green over blue
In the waters off the beautiful Nauset.
I used to pray to recover you.
Ach, du.

In the German tongue, in the Polish town
Scraped flat by the roller
Of wars, wars, wars.
But the name of the town is common.
My Polack friend

Says there are a dozen or two.
So I never could tell where you
put your foot, your root,
I never could talk to you.
The tongue stuck in my jaw.

It stuck in a barb wire snare.
Ich, ich, ich, ich,
I could hardly speak.
I thought every German was you.
And the language obscene

An engine, an engine,
Chuffing me off like a Jew.
A Jew to Dachau, Auschwitz, Belsen.
I began to talk like a Jew.
I think I may well be a Jew.

The snows of the Tyrol, the clear beer of Vienna
Are not very pure or true.
With my gypsy ancestress and my weird luck
And my Taroc pack and my Taroc pack
I may be a bit of a Jew.

I have always been scared of you,
With your Luftwaffe, your gobbledygoo.
And your neat mustache
And your Aryan eye, bright blue.
Panzer-man, panzer-man, O You_

Not God but a swastika
So black no sky could squeak through.
Every woman adores a Fascist,
The boot in the face, the brute
Brute heart of a brute like you.

You stand at the blackboard, daddy,
In the picture I have of you,
A cleft in your chin instead of your foot
But no less a devil for that, no not
Any less the black man who

Bit my pretty red heart in two.
I was ten when they buried you.
At twenty I tried to die
And get back, back, back to you.
I thought even the bones would do.

But they pulled me out of the sack,
And they stuck me together with glue.
And then I knew what to do.
I made a model of you,
A man in black with a Meinkampf look

And a love of the rack and the screw.
And I said I do, I do.
So daddy, I’m finally through.
The black telephone’s off at the root,
The voices just can’t worm through.

If I’ve killed one man, I’ve killed two_
The vampire who said he was you
And drank my blood for a year,
Seven years, if you want to know.
Daddy, you can lie back now.

There’s a stake in your fat black heart
And the villagers never liked you.
They are dancing and stamping on you.
They always knew it was you.
Daddy, daddy, you bastard, I’m through.

.
Papai

Você não serve, você não serve,
Não serve mais, sapato negro
Em que eu vivi como um pé
Por trinta anos, branca e pobre,
Mal me atrevendo a um espirro sequer.

Eu tive de matar você, papai.
Você morreu antes que eu pudesse¬_
Peso de mármore, saco repleto de Deus,
Estátua medonha com um dedão gris
Do tamanho de uma foca de Frisco*

E uma cabeça onde o estranho Atlântico
Derrama o verde-vagem sobre o azul
Nas águas da magnífica Nauset.
Eu rezava para recuperá-lo
Ach, du.

Na língua alemã, na vila polonesa
Aterradas pelo rolo-compressor
Das guerras, guerras, guerras.
Mas o nome do lugar é comum.
Diz meu amigo polaco

Que há uma ou duas dúzias.
Assim nunca soube onde você
Fincou seus pés, suas raízes,
Com você nunca pude falar.
A língua presa no maxilar.

Arapuca de arame farpado.
Ich, ich, ich, ich,
Mal conseguia dizer.
Em todo alemão vi você.
E a linguagem obscena

Uma locomotiva, uma locomotiva
Em vapores me leva como Judia.
Uma Judia para Dachau, Auschwtiz, Belsen.
Passei a falar como uma Judia.
Acho que bem posso ser Judia.

A neve do Tirol, a cerveja clara de Viena
Não são lá muito puras ou genuínas
Com minha ancestral cigana, minha estranha sina
E meu baralho de tarô, meu baralho de tarô
Eu devo ser um pouco Judia.

Você sempre me meteu medo,
Com sua Luftwaffe, seu papo furado.
E o seu bigode asseado
O olho ariano, bem azulado.
Homem-panzer, homem-panzer, oh Você_

Não Deus, mas uma suástica.
Tão negra que nem céu vara.
Toda mulher adora um Fascista,
A bota na cara, o bruto
Coração de um bruto da sua laia.

Você está de pé na lousa, papai,
Na imagem que levo comigo,
Em vez do pé, o queixo fendido,
Mas não menos diabo por isso, oh não
Não menos que o homem que em dois

Partiu meu belo e rubro coração.
Eu tinha dez anos quando o enterraram.
Aos vinte, eu tentei morrer
E voltar, voltar pra você.
Achei que mesmo os ossos serviram.

Mas me puxaram saco afora,
Juntaram meus pedaços com cola.
E aí eu soube o que fazer.
Eu fiz um modelo de você,
Homem de negro, Meinkampf no jeito

À tortura e ao torniquete afeito.
E eu disse aceito, aceito
Então, papai, finalmente acabei.
Arranquei o telefone negro da raiz,
As vozes já não rastejam até aqui.

Se matei um homem, matei dois_
O vampiro que me disse ser você
E sugou meu sangue por um ano afora,
Sete anos, se quiser saber
Papai pode voltar a se deitar agora.

Há uma estaca em seu coração negro
E os homens da vila jamais gostaram de você.
Estão espezinhando, dançando sobre você.
Eles sempre souberam que era você.
Papai, papai, seu canalha, acabei.

* Frisco: a cidade de São Francisco, EUA.
Tradução de Marina Della Valle

.
Âmbar Past (EUA/México-Chiapas, 1949 -)

.

Cuando Era Hombre

Para José Angel Rodríguez , Gerardo Otríz, Giovanni Proiettis, John Oliver Simón, Juan Blasco, Juan Ascencio, Jack Hirschman, Paul Landry, Rodrigo Núñez, José Martínez Torres, Carter Wilson, John Burstein, José Ignañcio Ruiz de Francisco, William Blake, Pancho Álvarez, Ayub Barquete Lope, César Meraz, Robero Laughlin, Humberto Pérez Matus, Hermann Bellingauasen, Miguel Ángel Godínez, Charles Bukowski, Javier Molina, Raúl Garduño, Jaime Sabines y Joaquín Vásquez Aguilar, hermanos y musas.
CUANDO ERA HOMBRE vivía en San Cristóbal. Arriba de la montaña, al sur, frontera con Guatemala, en un lugar donde tocan arpa. Antiguo crucero en los caminos blancos de los mayas. Anduve calles empedradas. Caminé por la niebla. Me enamoré varias veces.

Ahora que soy mujer, cuando subo en un taxi, el chofer me pregunta:

-¿Usted no es de aquí, verdad?

Yo le contesto: -Soy orgullosamente mexicana.

-¿Te casaste con un mexicano, verdad? -me acusa con morbosidad.

-Sí, señor -le digo-. Con varios.

Tengo una amiga que estaba casada con el Santo, el enmascarado de plata. Salía en todas sus películas. Guapa, rubia. Ahora es escritora destacada pero jamás escribe acerca del luchador. Es como yo que nunca hablo de mis otras vidas. No menciono a mi tío en Chattanooga, igual como la abuela cambia el tema a los que preguntan acerca de los cherokees en la familia.

-¿Son finos o corrientes? -quiere saber la señora de la tienda. El jabón de Castilla es de calidad, para los que se bañan, o apestan.

El olor del dinero blanquea la piel, ensuavece los prejuicios, enaltece al cliente.

-Bueno, pero, ¿tú vas a sus dentistas? ¿Dejas que te saquen sangre, piojos, hijas? ¿Lees libros escritos por lesbianas?

*

-PUES, SÍ, señor, hace años me vine para acá, fui para allá. No nací aquí. Me acosté con muchos cuerpos. Hombres que ahora encuentro en la calle, caminando hacia mí en la otra acera. Reconozco algunos con quienes he estado en la oscuridad desnuda. Casi no nos vemos ya.

Sí, señor, me acuerdo de cada uno. Muchos tenían el mismo nombre. Esto era lo raro: Sin cruzar palabra, al instante, me daba cuenta -a las dos cuadras- si el desconocido se llamaba R-.

R- es una manera de andar, una mirada, una de las grandes razas. Uno de los R-, el primero de todos, el que dejé cuando me cambié para acá, pues ése – después de veinte años de esperarme – se volvió a casar con otra que se llama igual que yo. Munda. Esto sí es cierto. Yo lo viví.

Recorrí todo el abecedario. Desde los A-, hasta los B-, los C-. Había un D- que olía a caoba, un F- de pito dulce, un H- salado. Los J- suelen cantar en la cama, los K- recitan versos. Un L- en una hamaca de la tierra caliente…

Me esmero en acordarme de sus nombres. ¡Da pena equivocarse en el momento del placer y gritar ¡M-! en vez de ¡N-! Para no complicarme la vida casi siempre me conformo con los R-. Les fui muy fiel. A todos.

Nunca permito que los taxistas me sigan entrevistando una vez que llegamos al asunto de mis matrimonios. Simplemente me callo y los dejo con su vergüenza en la boca. Jamás tocamos las preguntas morbosas que les hierven por dentro.

-¿De qué color tiene ella los vellos de su panochita? -oí que preguntaban unos indios al chofer, señalándome con su mirada.

Cuando era niño me gustaban las rubias. Ya que soy mayor las gringas me dicen Negro. Cuando voy en la calle con mi hija y su madre, todos se vuelven para averiguar si salió saltapatrás o güera.

*
(…)

Cuando era hombre nunca se me ocurrió violar a una mujer. Yo quería que me lo hicieran a mí. Que me manosearan las gabachas, destas que puedes ligar en San Cristóbal. Conocí a una que me dejó su dirección. Ella iba pidiendo aventón por toda la República Mexicana. Sola, en camiones grandes.

Cuando era niña pensé que María Emma era de chocolate y yo de vainilla. Los meses iban girando contra reloj y los números eran de colores. Existía un dios que plantaba la semilla de un hijo en las mujeres enamoradas. Su lengua corría por todo mi cuerpo, hasta el clítoris, mientras rezaba a los ángeles.

*

No me acuerdo cuándo era hombre. Sólo sé que quería ser mujer para luego volverme puta. Y creo que las gringas pagaban para acariciarme.

*

Me transformo como nube. San Cristóbal es mi crisálida. ¿Cuántos años tengo que permanecer aquí para poder volar?

.
Quando Era Homem

(excertos)

Para José Angel Rodríguez , Gerardo Otríz, Giovanni Proiettis, John Oliver Simón, Juan Blasco, Juan Ascencio, Jack Hirschman, Paul Landry, Rodrigo Núñez, José Martínez Torres, Carter Wilson, John Burstein, José Ignañcio Ruiz de Francisco, William Blake, Pancho Álvarez, Ayub Barquete Lope, César Meraz, Robero Laughlin, Humberto Pérez Matus, Hermann Bellingauasen, Miguel Ángel Godínez, Charles Bukowski, Javier Molina, Raúl Garduño, Jaime Sabines e Joaquín Vásquez Aguilar, irmãos e musas.
QUANDO ERA HOMEM vivia em São Cristóvão. Acima da montanha, ao sul, fronteira com a Guatemala, num lugar onde tocam harpa. Antigo cruzamento dos caminhos brancos dos maias. Andei por ruas calçadas com pedras. Caminhei pela névoa. Me apaixonei várias vezes.

Agora que sou mulher, quando subo num táxi, o motorista me pergunta:

– A senhora não é daqui, verdade?

Eu respondo: – Sou orgulhosamente mexicana.

– Você se casou com um mexicano, verdade? – me acusa sujo, excitado.

– Sim, senhor – digo – Com vários.

Tenho uma amiga que foi casada com O Santo, o matador máscara de prata. Aparecia em todos os seus filmes. Bonita, loira. Agora é escritora reconhecida, mas jamais escreve sobre o justiceiro. É como eu, que nunca falo de minhas outras vidas. Não menciono o meu tio de Chattanooga, como a avó que muda de assunto aos que perguntam sobre os cherokees na sua família.

– São finos ou ordinários? – quer saber a senhora da loja. O sabão de Castela é de qualidade, para quem toma banho ou fede.

O cheiro do dinheiro branqueia a pele, amacia os preconceitos, enaltece o cliente.

– Tudo bem, mas, você vai no dentista deles? Você deixa que te tirem o sangue, piolhos, filhos? Você lê livros escritos por lésbicas?

*

– BEM, sim, senhor, faz muitos anos que vim para cá, que fui para lá… Não nasci aqui. Me deitei com muitos corpos. Homens que agora encontro na rua, caminhando contra mim na outra calçada. Reconheço alguns com quem estive desnuda na escuridão. Já quase não nos vemos mais.

Sim, senhor, recordo-me de cada um. Muitos tinham o mesmo nome. Isso era estranho: Sem trocar nenhuma palavra, já me dava conta num instante – a duas quadras – se o desconhecido de chamava R-.

R- é uma maneira de andar, um olhar, uma das grandes raças. Um dos R-, o primeiro de todos, ele que deixei quando vim para cá, pois esse – depois de vinte anos me esperando – foi se casar com outra que tem o mesmo nome que eu. Mundo. Isso sim é verdade. Eu o vivi.

Recorri todo o abecedário. Dos A- até os B-, os C-. Havia um D- que cheirava a mogno, um F- de pinto doce, um H- salgado. Os J- gostam de cantar na cama, os K- recitam versos. Um L- numa rede de terra quente…

Capricho bem para me recordar de seus nomes. Uma vergonha se enganar no momento de gozar e grita M-! em vez de N-! Para não complicar a vida, quase sempre me conformo com os R-. Fui muito fiel a eles. A todos.

Nunca permito que os taxistas continuem me entrevistando uma vez que chegamos ao tema dos meus casamentos. Simplesmente me calo e deixo-os com sua vergonha na boca. Jamais tocamos nas perguntas calientes que lhes fervilham por dentro.

– De que cor são os pelos dela embaixo? – ouvi que uns índios perguntavam para o motorista, assinalando-me com seus olhares.

Quando era menino, gostava das loiras. Agora que sou adulto, as gringas me dizem Negão. Quando estou na rua com minha filha e sua mãe, todos olham para conferir se saiu pretinha ou loirinha.

*
(…)
Quando era homem nunca me ocorreu estuprar uma mulher. Eu queria é que me fizessem isso comigo. Que me bolinassem as francesinhas, essas que podem chegar a São Cristóvão. Conheci uma que me deixou seu endereço. Ela ia pedindo carona por toda República Mexicana. Sozinha, em caminhões grandes.

Quando era menina, pensei que Maria Emma era de chocolate e eu de baunilha. Os meses iam girando contra o relógio e os números eram coloridos. Existia um deus que plantava a semente de um filho nas mulheres apaixonadas. Sua língua percorria todo meu corpo, até o clitóris, enquanto rezava aos anjos.

*

Não me recordo quando era homem. Só sei que queria ser mulher para logo me transformar em puta. E acho que as gringas pagavam para me acariciar.

*

Me transformo como nuvem. São Cristóvão é minha crisálida. Quantos anos tenho que permanecer aqui para poder voar?

.

Tradução Ana Rüsche (versão inicial)


Madeline Gins (EUA, 1941 -)

.

Excertos de What the President Will Say and Do!!
O arquivo original está disponível para download em:
Ubu Editions: http://www.ubu.com/ubu/gins_president.html

.

O QUE O PRESIDENTE FALARÁ E FARÁ!!


Tradução de Rafael Rocha Daud

para Arakawa –
o descobridor do
“Vazio Formativo” –
este trabalho que ele ajudou
a formar a partir e para fora do
pântano da indeterminação
é dedicado
com admiração grande.

.

Prefácio

Uma tentativa precoce para uma economia planejada (seu começo é de 01966), o presente trabalho contém idéias/movimentos de tal caráter presidenciável* que, indubitavelmente (exceto quando é apropriado duvidar), cada uma delas será cedo ou tarde decretada lei.
Em qualquer caso, este trabalho poderá justamente ser considerado tanto prognóstico como prescritivo.
Ninguém não quer um presidente que não seja um shaman. Da mesma forma, quem senão um presidente poderia tomar com bastante agressividade a epistemologia ou a ontologia ou mesmo o devastado Nada nas mãos. Num tal instante, poderia fazer uma grande diferença quem é a autoridade – quem está na posição de – como eles dizem – para vasculhar entre os estalos. Nós desejamos que seja o Presidente aquele a piedosa-triunfalmente puxar em efetivo a Natureza pela cauda.
Nem todas as alternativas aqui listadas são boas, boas e Boas. Nenhum presidente as leria se fossem. Ainda assim, para manter alguma polidez de ética no geral, como um passo para melhorias, nós reclassificamos para substituições tais como o uso do algodão em capacidade sobressalente (quando nas adjacências de oceanos) para uma boa quantidade de outros, incluindo outros, ele próprio, estrôncio, seda, renascimento (ver adiante).
Quanto ao poema, um presidente treinado saberia que até mais do que a configuração recuperada, no sentido de Mallarmé, e mais recentemente Octávio Paz, ele mais serve como uma posição, um de um jeito ou de outro, uma gladiatória.
Ainda assim, como podemos esperar daqueles sem qualquer treino que configurem a si próprios por esse modo. O Poeta sendo o Mundo. A maior parte dos documentos que seguem têm o propósito de retificar esta situação e ……………………………..:

.
* tentatividade decisivamente incorporada – sua apoteose; o entre projetado; o presidente, sendo o projetista das visões de outros, a cabeça de marionete, adquire esta qualidade exclusiva através de, o tempo todo, falar e fazer corretamente o que foi prescrito.

.

Poemas Presidenciais
(antes)

Um Poema Original
por Richard M. Nixon


Pisca, pisca, estrelinha*

Que é tu, quem adivinha
Lá no céu, mas bem lá em cima
Diamante a brilhar

Pisca, pisca, estrelinha
Quedê tu, quem adivinha.

* Deve ser feita uma distinção entre esta estrela e a universal.

Um Poema Original

Um Poema Original
por Gerald Ford


Pisca, pisca, estrelinha
Quedê tu, quem adivinha
Lá no céu é uma luzinha
Diamante de noitinha. *

* Deve ser feita uma distinção entre

Um Poema Original
por James Carter

Um Poema Originalmente Feito
tendo sido escrito por Ronald Reagan *

Pisca, pisca, mergulhão
Sob o gelo da lagoa

* (Subseqüentemente, uma análise de grafia está sendo executada.)

Poema de(s)re(a)gan(a)

Pêisca, pêisca, estre(i)linha
No partido mundo fascista
Eu acho que adivinho quedê você
Diá(fano)mante no c(eu).

Lapso, lapso, cobiça, lapso
Adivinha o quê? *

* Estamos tentando cimentar desespero.

ENCHER O OCEANO COM ALGODÃO!
SEMPRE DEPOSITAR SISTEMAS INFINITOS COM A FACE PARA BAIXO.
SEMPRE DEPOSITAR SISTEMAS INFINITOS.
PENDURAR SEIS FAIXAS ESCARLATES ATÉ CHEGAR A CENTÍMETROS DO CHÃO.
TODO CIDADÃO DEVERIA RECEBER UM PEQUENO E AMARELO MOTOR A VAPOR!
MANTER GRANDES QUANTIDADES DE ÁGUA SALGADA LONGE DOS OUVIDOS.
USAR COMPASSO PARA TRAÇAR A BISSETRIZ DE TODA PALAVRA DITA.
ISOLAR PONTOS E LINHAS AZUIS.
PRODUZIR TEMPO A PARTIR DA CERA.
ENTRAR NUMA ESCADARIA.
NÃO HÁ RAZÃO PARA ISTO ESTAR ONDE ESTÁ.
DETERMINAR QUE TODO PÁSSARO USE VÉU PARA PARECER MAIS MISTERIOSO!
USAR MÁRMORES (AZUIS) DENTRO DE COLUNAS MAIORES DE COLA.
TODO CONGRESSO DEVERÁ TRABALHAR SOB O PRINCÍPIO DO PARAFUSO DE ARQUIMEDES
DIMINUIR A IDADE DE NASCENÇA.
EU DISSE, “DIMINUIR A IDADE DE NASCENÇA”
PRIMEIRO DERRAMAR TODO O CHUMBO NO PASSADO
APAGAR TODAS AS LETRAS INICIAIS

Anúncios

Entry filed under: 1.

6 º Encontro: O Corpo no Espaço poético OPA! Nova Edição do Curso em 2009!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Sobre o Blogue

"Mujeres-Women-Mulheres II: Uma leitura sobre o Cotidiano para o Século XXI" é a segunda edição de curso ministrado inicialmente em 2008. O blogue é um espaço para reflexão e publicações de material discutido no grupo. Contribuições são bem-vindas!

Serviço

Curso ministrado gratuitamente na Biblioteca Pública Alceu Amoroso Lima. Às quinta-feiras de março e abril de 2009, dias 12/03, 19/03, 26/03, 2/04, 9/04 e 16/04. Horário: das 19 às 21h. Av. Henrique Schaumann, 777, Pinheiros. São Paulo (SP). Informações na secretaria da Biblioteca ou tel 3082-5023.

últimas postagens

quem contribui


%d blogueiros gostam disto: